20.9.07

O verde sempre vermelho dos sinais

São certos momentos eternos, esses momentos tão quase-perfeitos. Você me olha de um jeito que dispensa palavras, meus olhos, dois globos, grandes hipnóticos. Eu sei que te prendem. Assim, sem palavras. Câmera rodeando pelos ares as mãos que não se soltam em um filme particular. Sinais abrindo e fechando, lembrando de marcar o tempo que eu quero esquecer. O verde e o vermelho se fundem numa coloração indefinida. E você me abraça com tanta vontade e beija e morde e cheira e diz que ama, que não me esquece, que às vezes eu chego a acreditar. E eu sairia gritando por aí que é burrice largar uma coisa bonita como essa, que não é certo deixar alguém que se ama, se quer, se gosta, que não faz bem, que o medo é tristeza, que você é triste. Se eu quisesse você assim do meu lado agora.

6 comentários:

Daniel Basilio disse...

Assino embaixo... perfeito!

Rogê disse...

mentiras sinceras me interessam...

Rogê disse...

Legal aqui Diana...
Abraços
Roger

diana sandes disse...

"sirenes, bares em chamas,
carros se chocando,
a noite me chama,
a coisa escrita em sangue
nas paredes das danceterias
e dos hospitais,
os poemas incompletos
e o vermelho sempre verde dos sinais"

(Leminski)

Pretta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabelle disse...

Porque andar e parar faz parte dos passos e do amor atras das cores dos sinaleiros! Otimo Diana! Otima Diana!