13.11.09

janelas

a cidade está morta
por trás das luzes de lanternas
que acariciam as paredes
dos prédios, esses monstros
sem pés e sem braços
mas com muitos olhos de vidro
e um mundo escondido
em cada: espio desatenta
cores de paredes e cortinas
com a luz das velas
fica tudo dançando

6 comentários:

Lepz disse...

bonita, digo, bonito.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rodrigo Hellmuth disse...

não tem pseudonimo.
mudei a assinatura, só isso, Vieira Hartmann é meu sobrenome, RH Vieira Hartmann.

Gabriela Alcofra disse...

quero videodançar isso!

ai, como é bom respirar poesia.

estava com saudades dessa sua inspiração.
não sei porque me afasto tanto.

De Lua em Popa disse...

ih, o apagão! experiencia boa pra quem gosta de estranhar e se espantar e ver tudo dançar... fiz um blog apouco tempo, ams escreve tão pouco que tenho vergonha de anunciar... bjo, Bianca

De Lua em Popa disse...

ops... quis dizer: "...há pouco" e "mas escrevo tão pouco..."