6.1.10

quarta-feira

mergulhada na semana
ela sobrevive ao calendário
que corre apressado e a socorre
da imobilidade das horas
ela se agarra ao fio dos dias
que a conduzem em ciclo eterno
ao reaparecimento, coitada
cochila cansada
ao longo do fim de semana
ensolarado ela só quer
dormir até mais tarde
enquanto todos se alegram
com a sua distância
se cansa à toa, traz um tom cinza
pregado ao corpo
os olhos distantes, caídos
não é chegada a caprichos
mas precisa existir, coitada
pra preencher um buraco?
é meio feia
e nunca entendeu bem
seu gosto pras coisas, seus laços
se satisfaz em segredo
com tudo o que tem
uma felicidade morna

3 comentários:

inescrituras disse...

debaixo de neve ou de sol, dizem que nada nunca acontece às quartas-feiras.

inescrituras disse...

debaixo de neve ou de sol, dizem que nada nunca acontece às quartas-feiras.

Lepz disse...

vamos atualizar esse negócio?