9.10.09

plumbagina

mandar cartas é como
demarcar a distância
dobrar a ansiedade
em mil, contar pautas
na espera, ensaiar a
caligrafia perfeita
imaginar cegonhas, pombas
corujas e greves de correio
encenar conversas
de olhos que nunca se tocam
ouvir a fricção do grafite
na folha, gastá-lo
é olhar por muito tempo
uma paisagem na janela
é girar em falso

5 comentários:

Daniel M. Laks disse...

Foda Di. Adorei o poema!!! esse realmente ficou lindo.

Marcela Bertoletti disse...

Adorei seu blog!
Todos os textos são lindos, parabéns! Gostei especialmente do "Anita", muito bonito.

Marcela

Edgard Profecter disse...

concordo, esse em especial ta muito bom, parece um pouco diferente dos outros, mais leve talvez

The Blues Is Alright disse...

Sou meio masoquista, então.

Rodrigo Hellmuth disse...

sorriso ao final mais uma vez!! Que belo poema Diana.