23.8.08

é só uma virose

daqui de dentro
nem o buraco da fechadura
nem ele me espia
escondida dentro da cama
haja edredom cachecol noite
me afogo
é tanto livro pra pouco corpo
mal caibo
e me esforço por fazer o alheio
meu
minha alteridade sou eu
e mal entendo estranho os contornos
tensos suaves do seu corpo
eu

eu até tentaria, se fosse o caso
mas hoje mal precipito
um passo que me encerra
e a rua me machuca
mais que a poesia

3 comentários:

André F. disse...

entre os versos onze e treze estão grandes pérolas...inscrições de sonho na janela da vida

bjs

Ansiedade Antropofágica disse...

eu

senhorita feliciana disse...

lindo